Palavras sem ação são apenas ruídos.

A Arte sempre nos apresenta uma nova perspectiva para ‘enxergarmos’ a realidade.

Hoje, compartilho uma canção popular brasileira, para nossa reflexão sobre liderança:  Palavras, Gonzaguinha:

Palavras, palavras, palavras
Eu já não aguento mais
Palavras, palavras, palavras
Você só fala, promete e nada faz
Palavras, palavras, palavras
Desde quando, sorrir é ser feliz
Cantar nunca foi só de alegria
Com tempo ruim
Todo mundo também dá BOM DIA!

Diante de um cenário político e social delicado no planeta, percebemos claramente a antítese:
o ruído das palavras e a música das palavras.

Se, de um lado, temos as vozes que vociferam sem propiciar uma ação comprometida
com os cargos exercidos, logo são ruídos em forma de palavras que apenas falam, não dizem,
porque são apenas promessas vãs, não traduzem o desejo do povo.

De outro lado, temos as vozes que – igualmente vociferam, mas legitimam suas atribuições,
são músicas em forma de palavras cujo poder reside em dizer, em promover mudança,
traduzindo os anseios de um povo cansado, exausto de tantas falcatruas, mas que mantém viva a chama da esperança em dias melhores.

Essa canção de Gonzaguinha, ilustra bem minhas argumentações, neste dia histórico para nossa LIDERANÇA!

Palavras, palavras, palavras / Eu já não aguento mais”.
O eu-lírico, sujeito da canção, expressa seu descontentamento com blá-blá-blá.

Palavras, palavras, palavras / Você só fala, promete e nada faz”.
De que adiantam tantos discursos, tantas palavras pronunciadas em tantos palanques,
em diversos microfones, se somente se fala, promete e nada faz do que foi dito e prometido?
Essa pergunta o povo também se faz constantemente, mas nas urnas,
elege aqueles que mais prometem peixes, não varas; que mais falam e, pelo que vemos,
que – também – nada fazem.

“Palavras, palavras, palavras / Desde quando, sorrir é ser feliz.”
Falando sobre nós, brasileiros…
O povo brasileiro é considerado um povo feliz, sim somos essencialmente felizes.
Mas, o sorriso brasileiro não tem demonstrado felicidade.
Tem evidenciado medo, dúvida, descrença e atitude mais característica disso é a capacidade criativa de fazer piadas sobre si mesmo, sobre a crise instaurada em nosso país e que nos faz – querendo ou não – ter de engoli-la. E, ela desce quadradando, ou vomitamos!?

“Cantar nunca foi só de alegria / Com tempo ruim / Todo mundo também dá BOM DIA!”
Como já disse outra canção: “quem canta, seus males espanta!”, porque mesmo com todo esse caos político, econômico exposto, sim retiraram um tapete e a sujeira apareceu.

Toda? Sem ilusão quanto a isso. Contudo, devemos desejar BOM DIA sempre.

Desejar Bom dia, traduz a possibilidade de recomeço, de fazer diferente, de fazer O NOVO!

Que amanhã, 17 de março de 2022, possamos despertar com essa página virada, com a NOVA página de nossas histórias e da História do Brasil com um novo capítulo e que esse seja mais saudável, mais ético, mais elegante, mais transparente, mais FAVORÁVEL para o Brasil e para os brasileiros.

Mas que, PRIMORDIALMENTE, todas as nações enxerguem que não precisam de peixes, carecem de varas, de iscas, de redes, de aprendizado sob as diversas técnicas de pescar (conquistar) os SEUS peixes (sonhos, metas). 

Cada país na sua jornada. O Brasil na dele.

Você, como líder, quais técnicas precisa desenvolver para que sua rede venha com os peixes desejados?

Responda a esta pergunta nos comentários.

Estamos Juntos nessa Jornada.

Eu RE-conheço LIDERANÇA em você!

Abraço da Mel. 🎋

 

Mel Moura Moreno, liderança

Eu RE-conheço LIDERANÇA em Você. 🚀

Mel Moura Moreno

Analista Comportamental, Consultora e Mentora de Liderança e Gestão de Projetos (Pessoal, Carreira e Negócios).

email: contato@melmouramoneno.com / WTS https://wa.me/message/Z62XJ2FUMGXXB1

Leia também